Portal Entropia

logo página inicial portal entropia

Como foram os últimos momentos do submersível Tytan?

Compartilhe:

O Trágico Acidente da Expedição ao Titanic: Uma Jornada ao Fundo do Mar que Terminou em Desastre

No Dia dos Pais (dos EUA), em 18 de junho, Christine Dawood viu seu marido, Shahzada, e seu filho, Suleman, pela última vez. Eles eram pequenos pontos no Oceano Atlântico Norte, flutuando em uma plataforma a cerca de 400 milhas da costa. Enquanto eles entravam em uma embarcação submersível chamada Titan, com 22 pés de comprimento, Christine os observava do navio de apoio.

Os mergulhadores os fecharam apertando um anel de parafusos enquanto a embarcação rolava nas ondas a cerca de 13.000 pés acima dos destroços do Titanic, que estão no fundo do oceano há 111 anos.

Suleman, de 19 anos, carregava um cubo mágico. Shahzada tinha uma câmera Nikon, ansioso para capturar a vista do leito do mar através da única escotilha do Titan.

“Ele estava como uma criança vibrante”, disse Christine, que permaneceu no navio de apoio na superfície com a filha do casal, Alina.

Os dois observaram atentamente. O sol brilhava. O navio estava estável.

“Foi uma boa manhã”, disse Christine Dawood.

Logo em seguida, o Titan deslizou para a água e mergulhou em direção a um sonho.

Mais tarde naquela manhã, Christine ouviu alguém dizer que a comunicação com o Titan havia sido perdida. A Guarda Costeira dos Estados Unidos confirmou que isso ocorreu 1 hora e 45 minutos após o início do mergulho.

Christine foi à ponte, onde uma equipe estava monitorando o lento mergulho do Titan. Ela foi informada de que a única comunicação entre a cápsula e o navio, por meio de mensagens de texto codificadas no computador, era muitas vezes instável. Se a interrupção durasse mais de uma hora, o mergulho seria abortado. O Titan soltaria pesos e voltaria à superfície.

Por horas, Christine foi lentamente afogada pelo medo. No final da tarde, disseram a ela que não sabiam onde o Titan e sua tripulação estavam.

“Eu também estava olhando para o oceano, caso pudesse vê-los emergir”, disse ela.

Quatro dias depois, com Christine Dawood e a tripulação do navio de apoio ainda sobre o local do Titanic, autoridades da Guarda Costeira anunciaram que haviam encontrado destroços do Titan.

Eles afirmaram que a embarcação provavelmente implodiu, matando instantaneamente todos a bordo.

Além dos Dawoods, havia Paul-Henri Nargeolet, um cientista francês e autoridade global no Titanic, tentando fazer seu 38º mergulho nos destroços. Havia também Hamish Harding, um executivo britânico da aviação, entusiasmado por fazer sua primeira viagem.

E havia Stockton Rush, o fundador e CEO da OceanGate, uma empresa que se considerava uma mistura de ciência e turismo. A empresa recusou pedidos de entrevista do The New York Times.

O Sr. Rush, um entusiasta dos mergulhos em águas profundas, havia fundado a OceanGate com o objetivo de explorar e compartilhar as maravilhas do oceano. A expedição ao Titanic era uma oportunidade emocionante para ele e sua equipe, mas acabou se tornando uma tragédia inimaginável.

A descoberta dos destroços do Titan confirmou os piores temores de Christine Dawood. Ela se agarrou à esperança de que seu marido e filho estivessem vivos, mas agora a realidade cruel começava a se impor. O desespero e a tristeza envolveram todos os envolvidos na expedição e aqueles que esperavam por notícias no navio de apoio.

As autoridades da Guarda Costeira iniciaram uma investigação para determinar a causa da implosão do Titan. Houve especulações de que uma falha estrutural na embarcação submersível poderia ter ocorrido devido à pressão extrema nas profundezas do oceano. Outras possibilidades, como problemas de comunicação ou acidentes, também foram consideradas.

Enquanto a investigação estava em andamento, uma onda de tristeza e choque se espalhou pelo mundo. A perda de vidas na expedição ao Titanic foi sentida profundamente pela comunidade de exploração subaquática e pelos entusiastas da história do navio. O Titanic, um ícone do passado, tinha novamente deixado sua marca trágica.

Os Dawoods foram lembrados como uma família amorosa e dedicada. Suleman, um jovem talentoso e curioso, tinha um futuro promissor pela frente. Shahzada, um apaixonado pela fotografia, tinha a habilidade de capturar momentos preciosos e compartilhá-los com o mundo.

A OceanGate enfrentou um período de escrutínio intenso. Enquanto a empresa expressava sua tristeza pela perda de vidas, ela também enfrentou questionamentos sobre as medidas de segurança e os protocolos de emergência durante a expedição. Essa tragédia lançou dúvidas sobre a viabilidade e os riscos envolvidos nas explorações em águas profundas.

No meio do luto e das investigações, a busca pelos destroços do Titanic continuou. Outras equipes e exploradores decidiram retomar os esforços para mapear e estudar o famoso navio naufragado. Porém, a tragédia da expedição ao Titanic deixou uma marca indelével e serviu como um lembrete sombrio dos perigos e desafios associados à exploração do oceano profundo.

Enquanto o mundo lamentava a perda das vidas na expedição ao Titanic, os Dawoods e as outras vítimas eram honrados e lembrados como corajosos exploradores que deram suas vidas em busca de conhecimento e aventura. Seus nomes se juntaram à longa lista de pessoas que perderam suas vidas nas profundezas do mar, um lembrete de que a exploração do desconhecido nem sempre vem sem custos trágicos.

Fonte: https://www.nytimes.com/2023/07/02/us/titan-submersible-passengers.html

O que você achou disso?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhum voto até agora! Seja o primeiro a avaliar este post.

Carlitos Barbosa
Carlitos Barbosa

Formado em Administração pela FGV, graduando em psicanálise pelo UNINTER e apaixonado por comportamento humano.

Sobre

Disclaimer: Conteúdo Informativo

As informações fornecidas neste blog são destinadas exclusivamente para fins educacionais e informativos e não pretendem ser um substituto para o aconselhamento profissional, diagnóstico ou tratamento. Embora nos esforcemos para fornecer informações precisas e atualizadas sobre saúde mental, não somos profissionais de saúde.

Recomendamos que você consulte um profissional de saúde qualificado antes de tomar qualquer decisão sobre o seu tratamento ou condição de saúde mental. Não ignore conselhos médicos profissionais nem demore na busca por causa de algo que tenha lido neste blog.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *